História

A história de Infias

“Infias possui uma área de 3,11 km², 1840 habitantes e uma densidade populacional de 591.64 hab/km² (2011). Esta freguesia localiza-se a Poente, Norte e Nascente com o Concelho de Guimarães e a Sul com a União das Freguesias de Caldas de Vizela S. Miguel e S. João. De acordo com documentos antigos, a toponímia tem o significado de “trespassar, percorrer, passar além de”, em virtude de esta freguesia ser a passagem entre Guimarães e Vizela, desde a sua fundação. A sua história original perde-se no tempo, contudo existem dados que a mencionam já no séc. XIII, com a designação de «Vila de Enfias». Por outro lado, nas Inquirições de 1220, aparece com o nome de «Parrochia Sancte Marie de Enfias».

Finalmente, em 1290 surge com o nome já mais modernizado de «Freguesia de Santa Maria de Enfias. Atualmente, mantêm-se o nome de Santa Maria de Infias, com a evolução fonética do (e) para (i), o que é normal. A Carta Régia datada em Guimarães, em 1388, confirmou à população de Infias todos os privilégios, foros, liberdades e são costumes que desde sempre usaram. A freguesia é atravessada por um ribeiro, que se integra depois no rio Vizela, com o nome de Ribeiro de Paços. Nas margens deste ribeiro outrora, existiram 13 moinhos todos ativos. Esta freguesia é caracterizada pelas suas orações e tradições. Para confirmar basta lembrar a Confraria do Senhor das Cinco Chagas, que parece ter já muitos séculos de existência, havendo registos de 1698.

Reza a lenda que esta imagem ainda tem vestígios de uma outra, que há muitos séculos cruzado mandou esculpir, a fim de lhe colocar uma coroa de espinhos que encontrou no deserto, quando regressava da Terra Santa. Numa capelinha, da qual já não há vestígios, a coroa foi colocada sobre a referida imagem e, todos os anos, a 3 de Maio, sangue brota das feridas provocadas pelos espinhos, levando até quem afirmasse, que isso correspondia ao dia e hora em que Cristo teria sido coroado.

Sabemos que não é verdade, mas o facto é que incutiu tanta fé nas pessoas que, nesse dia, começaram a fazer uma romagem de penitência e assim a imagem do Senhor das Cinco Chagas era transportada desde a capelinha de Infias até à Senhora do Monte em Serzedelo. O facto começou a provocar tal salema entre os habitantes das duas freguesias que, em 1920 se construiu a Capela de Santa Ana, local para onde as procissões passam a dirigir-se, deixando de haver a romaria à Senhora do Monte, por divergências entre a população das duas freguesias. A Igreja Paroquial veio substituir o antigo Templo Romano erigido em honra de Diana, isto após a construção da nova Igreja, sendo a construção da Sede do Centro Cultural e Recreativo Raul Brandão e da Sede da Junta de Freguesia mais alguns dos projetos deste povo tão empreendedor.”